28 de jan de 2019

A casa que habito

Por: Eliana Rezende


Por muitos anos, e para alguns, o empreendimento de uma vida é ter um lugar físico que possa denominar de seu: é aquele pedaço de chão, aquele conjunto de blocos, pedras, concreto e cores, que juntos configuram o espaço denominado de: "casa".

Mas, caminhando pela vida e pela existência, percebo que há moradas que fazem muito mais sentido e que nos dão o valor exato deste "habitar".
A "casa" toma assim um sentido figurado e pode ser metáfora do espirito que temos e carregamos como nosso.

O espirito que nos habita possui todas as características que são fundamentais para manter nossa existência.
Se bem fundado é forte: suporta intempéries, dificuldades, desastres, catástrofes.
É lugar de quietude quando tudo à volta parece vociferar e bradar.
É ponto de luz quando tudo parece sucumbir à escuridão e penumbra.
É lugar de paz quando tudo parece uma interminável batalha.

Mas, afinal, muitos não se apercebem que este lugar tão precioso necessita ser cuidado.
O espaço onde nosso espírito habita é um empréstimo da existência. Apenas temos que zelar por ele. E ao partirmos, o entregamos: muito provavelmente do modo como vivemos, em boas ou más condições de acordo como escolhemos viver.
Assim, se bem administrada, a casa que habitamos vai se transformando em fortaleza e lugar de resistência. Lá o espírito crescerá, se fortificará, entenderá e completará aquela que é a sua missão.

A casa que habito já possui mais que meio século e nela me refugio quando tudo o que lhe é externo lhe contradiz, desrespeita, vocifera. Mas suas janelas se abrem e deixa entrar aqueles que a conseguem iluminar porque trazem com sua presença luz e o calor que colore dias e que são capazes de acalentar mesmo em meio à tempestades.

Os anos passados trazem isso de bom; um sentido de permanência e imanência do que verdadeiramente importa e a compreensão de que o que importa está dentro. Não irá a lugar nenhum só e nem precisa que se acumulem bens.

A casa que habito está no dia de hoje em contemplação: comemora mais um ciclo de 365 dias de abrigo numa jornada de muitos dias e outros ciclos. Tem sido um lugar onde minha alma atraca e encontra segurança e paz. É ponto de pouso onde meu espírito se alarga.

Comemora comigo?
_______________
Posts relacionados:
Curta/Acompanhe o blog através de sua página no Facebook

**

Siga-me: 
No Twitter @ElianaRezende10 


14 de jan de 2019

Leve sua alma para passear: dê-se tempo!

Por: Eliana Rezende

O tempo é sempre a grande preocupação de tudo e de todos.
Sempre temos a sensação de que nos escapa por entre os dedos, e por mais que aparentemente vivamos, menos nos sobra dele.

O tempo, logo se constata, não pode ser simplesmente medido por ponteiros e horas que insistem em correr através dos dias e anos em que nossa vida parece fatiada, retalhada, esmiuçada.
Como dar aos nossos dias tempo?
Como fazer com que, de tantos minutos infinitos, tenhamos de fato vida vivida e não tempo perdido, consumido, desperdiçado?


Fico aqui pensando que o melhor que podemos fazer, aos nossos corridos dias, é dar tempo e vida às nossas existências levando nossa alma para passear.

Mas como se passeia com a alma? Como fazer isso se muitas vezes o corpo está aprisionado em congestionamentos, transportes, baias de trabalho, ou num sem número de compromissos?!
Dar descanso e passeio a alma pode significar destinar-nos tempo para coisas simples que dão a mente a possibilidade de expandir-se. É este espaço que nos damos que pode favorecer ao alargamento do espirito e a expansão de nossa criatividade.

Por isso, encontre o tempo que muitas vezes é expropriado de nossas vontades. Encontre-o e o distribua por pequenas doses de prazer diário.
Descubra o que para você dá prazer aos sentidos.

Liberte-se de relógios, agendas, e celulares por alguns minutos ao dia. Seja seu maior e melhor companheiro. Caminhe simplesmente olhando o que há à sua volta. Perceba pessoas, animais, plantas, movimentos coletivos de pessoas, multidões ou meros indivíduos.

Quanto maior for o espaço social em que está, maiores serão os estímulos e possibilidades. Concentre-se! Mas não mergulhe na multidão para ser só mais um. Faça isso conscientemente e perceba-se nas suas diferenças.
Aprecie um bom café sentado em um cantinho interessante ou numa esplanada com uma vista que valha à pena. Aquente-se! Coloque-se em descanso. Simplesmente conecte-se com você.


Busque atividades simples que possam lhe dar prazer e alguma dose de endorfina: passeie ou brinque com seu cachorro, nade, corra, ande de bicicleta ou a pé....

Alimente sua mente com leitura que lhe agrade, descubra uma nova receita, um novo percurso (ao invés de sempre seguir pelos mesmos lugares).
Surpreenda-se levando sua mente para lugares em que nunca esteve. Disponibilize-se!
Cumprimente quem cruza seu caminho. Experimente um sorriso, vez por outra, para alguém que simplesmente lhe dirija o olhar.

Todos estes gestos não demandam tempo no sentido horário. Em geral pouquíssimos minutos podem dar-lhe uma satisfação imensa e não terá subtraído nada do que sejam suas responsabilidades. Mas terá posto vida ao seu tempo.

Em pouco tempo se dará conta que não precisa de dias específicos para se dar tempo e passear com sua alma. Todos os dias serão dia de dar-se tempo e alargar-se.


_______________
Posts relacionados:
Uma sociedade de performance
E se...
Curta/Acompanhe o blog através de sua página no Facebook
**
Siga-me: 

No Twitter @ElianaRezende10 


1 de jan de 2019

Quando as Palavras Secam

Por: Eliana Rezende


Há momentos em que as palavras adormecem.
Calam-se, não conseguem dar as mãos para formar uma ciranda de sentidos, sentimentos, argumentos, convicções, ideias, utopias.
Seu silêncio faz-se tão alto que torna-se ensurdecedor e nos põe diante de nossa total incapacidade de com elas travar combate.

Fortes e destemidas as palavras nos auxiliam a pôr em trânsito nossas ideias e sentimentos mais profundos. São ferramentas que materializam o subjetivo que nos habita. São tijolos que constroem: de pensamentos a projetos, de sentimentos a desencantos.

Colocadas lado à lado e numa ciranda perfeita podem estimular e aglutinar pares, atrair sentimentos similares, fortalecer combalidos, dar esperança a desesperançados.
Mas quando elas parecem secar é como um deserto que nos toma. Nele apenas o desconforto das temperaturas, os ventos que mudam tudo de lugar e que possuem poderes de movimentar montanhas inteiras, soterrando e sufocando tudo o que está em seu caminho.


As palavras que enchem páginas com seus contornos de símbolos, sinais, formas e ideias são solicitadas em determinados momentos mais do que em outros.
Por exemplo, espera-se, em geral, que transcorrido um ano inteiro e às vésperas do inicio de um novo ano expectativas e esperanças se renovem e encontrem ares para se expandir e contagiar. As palavras aqui deveriam ser veículo de estímulo e de esperança.

Mas especialmente no dia de hoje (1º de Janeiro de 2019) para mim é um dia de palavras silenciosas. A mente, aquela que constrói as palavras pressente tempos de tempestade e obscurantismo. São os ares que matam as palavras ou as fazem natimortas. Nestes tempos não há respeito ou apreciação pela palavra polida, límpida e lapidada. É um tempo de poucos recursos semânticos, de prazer na desconstrução de ideias, pessoas, reputações, com desprezo pelo diferente, divergente. Tempos de ode à ignorância e ao pensamento fácil e populesco.

Mas, como nenhum movimento pode por si só extinguir o que é como rio, as palavras voltarão com certeza ante a diversidade.
É o inverno das palavras, que adormecerão aguardando a sua primavera para florir e grandes botões e explosão de cores. Estarão, nesta fase de hibernação, confortada por mais palavras, só que desta feita escrita por outros pares, outras mentes, outros arquitetos do saber. Armazenadas em relicários, que convencionamos chamar livros e que tornam-se fiéis depositários de séculos de pensamento humano e histórico.
É aí no conforto destas palavras que aguardarei as minhas.

De pronto espero acontecimentos.
Não estou nem esperançosa, nem feliz.
Mas sei também que a História não é feita de um e nem de poucos, e com certeza ela permanecerá, por mais que se tente retirar dela significados, ideias, pessoas. E nesta tarefa da permanência e imanência que as palavras garantem que a História se perpetue, para além de seus detratores.
O que direi portanto aos que como eu sentem-se expropriados de suas palavras?

Desejo que a aspereza dos dias mostrem caminhos criativos para que as mentes se libertem ainda mais. Que os pensamentos se fortaleçam e edifiquem com robustez para que as palavras não deixem de ser pensadas, ditas, escritas, disseminadas. Serão nossa fortaleza em tempos de crueza.




_____________________
Posts relacionados:
De metáforas e escrita...
O papel e a tinta por Da Vinci
Palavras vincadas
Pensados a tinta e escritos à máquina
Vendem-se palavras
Feliz Olhar Novo!
Ceda Lugar ao Novo!
Trincheira das palavras
O Vendedor de Enciclopédias


*
Curta/Acompanhe o blog através de sua página no Facebook
**
Siga-me: 

No Twitter @ElianaRezende10 

10 de dez de 2018

O carcereiro de nossas almas

Por: Eliana Rezende

As masmorras de nossas existências possuem muitas divisões: servem para aprisionar, enquadrar e muitas vezes sufocar o que de mais livre possa nos habitar. Como qualquer fortaleza possui paredes grossas que limitam o que entra e o que sai. Limitam espaços, circulação. Servem para dar a impressão de que tudo está seguro e imutável.


Mas toda esta infra-estrutura precisa de bons carcereiros. Eles que garantem que o aprisionamento se efetive. Que nada escape, e que a sobrevivência seja garantida pelo tempo com o mínimo possível. Mínimo de investimentos, de pensamentos, de tentativas de fuga...resistência. Lá dentro o prisioneiro perde a noção do tempo, das horas, das estações. Simplesmente deixa-se ficar!
E talvez seja neste ponto que o mais cruel se dá: carcereiros de nós mesmos mantemos nosso espírito ali, aprisionado, para que não fuja, para que não saia do controle de nossas masmorras de medos, conveniências, covardias, inseguranças, justificativas. Quanto maiores todas elas, mais acharemos que se justificam. Tornamo-nos nossos próprios carrascos. Caminhamos de cela em cela, com as chaves nos bolsos, mas completamente refratários a tudo o que significa a liberdade do principal prisioneiro: nós mesmos!


E assim, o tempo e a vida se sucedem: oportunidades se dão, vidas se cruzam, caminhos se fazem, horizontes se descortinam. Mas nosso carcereiro está ali e realiza tão bem seu trabalho!
A vida e o tempo passam. A masmorra envelhece. Musgos a tomam. Ao andarilho da estrada fica a sensação de que ali toda a construção converteu-se num túmulo que guardava corpos e mentes, e que hoje restam apenas seus escombros. A ninguém pertence. Transformou-se num projeto do que não foi...
Assim, carcereiros de si mesmos reproduzem-se aos montes sem nem mesmo se dar conta.



_______________________
Posts relacionados: 
Ruídos do silêncio
O cortiço de nossas almas
E se...
A vida wi-fi de seres desconectados
A Boa Morte é a Arte de saber Viver

*
Curta/Acompanhe o blog através de sua página no Facebook
**
Siga-me: 

No Twitter @ElianaRezende10 

23 de out de 2018

Quando a ficção vem pra rua...

Por: Eliana Rezende

É assim mesmo que nos sentimos quando lutamos contra o fascismo, o obscurantismo?

Perdoem-me todos, mas nunca havia lutado contra um fascista de verdade. Em geral, achava que habitavam as ficções e os livros de história. Considerava que sua periculosidade era componente apenas de minha imaginação.

Posteriormente os conheci através de relatos de depoimentos colhidos na área de História Oral sobre os movimentos sociais ligados à Igreja Católica e que resistiam aos anos de chumbo no Brasil (o trabalho desenvolvido possui um acervo riquíssimo que pode ser consultado na CEDIC/PUC-SP).
As vozes ali ganhavam tons, entonação, lágrimas e sofrimento. Foram se desvendando para mim e fui descobrindo que a vida real os trazia em toda a sua truculência e perversidade contra os diferentes.
Eram perseguidos, presos, violados e violentados de todas as formas e maneiras, sob acusações vis e mentirosas. O seu principal crime? Não concordar com a Ditadura e a perda de direitos civis simples: como se reunir, pensar ou votar.
Descobri através dos relatos destes sobreviventes que torturadores são sempre covardes: escondem-se atras de armas, truculência, violência e turbas. Que motivos não precisam existir, basta apenas a diferença de pensamento, conduta, objetivos, opções. Não há espaço para o contraditório além da força e coerção.

Nos últimos dias, no entanto, todos eles saíram desta minha ficção e pesquisas históricas e os vejo povoar ruas, em conversas de botequim e com muito maior virulência e maior estupidez nas redes sociais. Nos inundam com um jorro imundo de xingamentos, preconceitos, abordagens rasas de análise conjunturais, equívocos imensos de história e cultura. Um caldo amalgamado do pior que a humanidade nos consegue oferecer, e para não falar da associação entre convicções e doutrinação pelo uso da fé de alguns. É o fundamentalismo que se agrega à ódios profundos, cegos e irracionais.

Pensava que a ficção sempre exagerava tipos sociais. Mas tenho visto que era ignorante sobre o tema: a realidade é mais crua, fétida, perversa.

Tenho me sentido estarrecida com o grau de brutalidade possível em pleno século XXI, quando as redes sociais parecem fuzis e canhões para canalizar o ódio e derramar mentiras, enganos, construir "verdades" e até supostos mitos.

Mas a História não é tão simples assim. Supostas 'verdades' podem ser pretensamente construídas hoje, mas serão completamente destruídas quando o Tempo por elas passar.

Mas como sempre, achamos que as bombas só caem nos vizinhos! É muito estranho de repente sabermos que estamos cercados: nosso vizinho, nosso colega de trabalho, nosso tio, até um ou outro amigo(a) ou o dono da padaria... 
O fascismo assusta exatamente porque parece ser contagiante!

Freud talvez explique melhor esta projeção no Outro de tudo o que existe de pior em nós. A perplexidade aqui é constatar que em verdade o mal não mora no Outro, mas dentro de cada um que o reconhece, amplifica, dissemina e distribui num ódio cego, irracional e preconceituoso. Assim, o que temos hoje é UM que amplifica os demônios que habitam em TODOS e o Outro é o humano a ser abatido quer por balas, quer por palavras, quer por vídeos falsos e baratos, por mentiras, truculência.

A perplexidade me avassala, pois esta violência é indistinta e distribuída democraticamente: encontramos pobres, ricos, endinheirados ou remediados, analfabetos ou diplomados, brancos, pretos, mulatos, todos com os pensamentos mais rasteiros possíveis sobre a diferença, a diversidade.

E constato que afinal: o mal habita o humano indistintamente.

Basta apenas alguém que o queira cultivar...

___________________
*
Curta/Acompanhe o blog através de sua página no Facebook
**
Siga-me: 

No Twitter @ElianaRezende10No LinkedIn
No Facebook

11 de out de 2018

Limpe sua timeline e desarme-se!

Por: Eliana Rezende

Hoje levantei com o espírito de desarmar-me. Olhei bem para a minha timeline e vi que a partir de tantas conexões e escolhas algorítmicas muito lixo estava sendo despejado. Likes que não me representam, idéias que não compartilho, pensamentos enviesados, muita desinformação, fakes em grande escala de pessoas que absolutamente não me dizem nada além do próprio ódio e preconceito que carregam. Opiniões rasas e visões distorcidas de mundo e contextos. Resolvi inciar um processo de desintoxicação e faxina da minha timeline, removendo todo este tipo de conexões que definitivamente não me acrescentam nada, e muito pelo contrário: me trazem seu mau humor, seus rancores e uma série de sentimentos muito pequenos e insignificantes. A sensação foi libertadora! Timelines não são odorizadas, mas fiquei com a sensação que de repente estava tudo limpo e perfumado. Um alívio! Por isso, sugiro que reflitam sobre isso e iniciem esta semana uma faxina na sua. Irão se sentir aliviadíssimos, eu garanto! Amanheça e vá dormir em paz, sem jogar toxinas no fígado: isso estraga a pele e faz mal ao coração! Afinal, você faz suas escolhas, e suas escolhas fazem você! Simples e libertador assim....

*
Curta/Acompanhe o Blog através de sua página no Facebook:
Conheça meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional
Siga-me no Twitter: @ElianaRezende10

8 de ago de 2018

O Futebol como Metáfora (De Copa em Copa)

Por: Eliana Rezende

Este post começou a ser escrito em 2010.
A cada Copa que se sucedia tentava não ser imediatista, e como historiadora que sou dei tempo ao tempo. Longe das paixões e decepções de momento fui tecendo um bordado de impressões, e os armazenando em gavetas de existências, típicas e caras dos que escrevem sem pressa, como citei no meu post "Palavras Vincadas". 
Como retalhos numa colcha de patchwork as impressões foram se sobrepondo e o resultado deixo para apreciação coletiva, como coletivo é o jogo e todas as discussões decorrentes.

De cada derrota, o que sempre fica, é a de que o futebol é mesmo uma boa metáfora para nossas existências, sejam elas pessoais, profissionais, acadêmicas ou outras quaisquer.



2010: 
Acho que são horas de contabilizar...
Não foi um Mundial que deixou muitas saudades.
Alguns jogos realmente deram-me o prazer da contemplação e de enxergar, nos dribles, metáforas da existência. De enxergar nas ações e atuações de homens e seleções muito do humano: quase sempre carregado de emoções e exitações, lutas com vitórias, lutas em meio à derrotas e até vitória em meio a uma derrota. Ganhar e perder pode ser apenas um ponto de vista... um detalhe diante de todo um contexto. E os jogos são antes de placares feitos de contextos!     
Cri muito na força e juventude alemã... mas foram apenas uma grande promessa que não se cumpriu: tinham tantas possibilidades! Tantos meios... e se deixaram levar, quem sabe pela própria imaturidade dos jovens, não sei...

Mas guardarei sempre a luta em pé até o final do Paraguai contra a própria Espanha e os lindos momentos de força vinda das entranhas do Uruguai. De fato orgulhei-me muito de ver que também se perde com honra e dignidade. Merecidamente o melhor jogador da Copa vem do Uruguai... Para mim dos melhores jogos da Copa, nem tanto pela qualidade técnica, mas pela luta foi Gana vs Uruguai, Uruguai vs Alemanha.

A perplexidade diante de Alemanha vs Argentina (creia você ou não, torci de coração pela Argentina e muitos, muitos brasileiros também!).
Não posso deixar de falar do personagem Maradona... Impressionou-me, e ao final já torcia por ele! Foi comedido quando precisava, incentivador e melhor que tudo: teve tanta dignidade ao perder! Bravo! Bravíssimo! Cumprimento ao vencedor e beijos em cada um de seus meninos. Quanta diferença do Dunga. Erraram o nome do anão: deveria chamar-se Zangado. Uma vergonha nacional! Pra não falar do futebol pequeno e medíocre que apresentamos. 
Vejamos o que nos reserva 2014...




Das metáforas o que fica pra mim é que o quê vale mesmo não é ganhar ou perder: é lutar! E se tiver que cair que seja de pé e não envergonhado caído e consumido pela impotência diante de um jogo que não se sabe jogar... ou ainda pior: desistir de lutar e deixar que o jogo do outro nos consuma, anule ou sufoque. Mesmo os melhores, não são técnicos ou geniais todo o tempo. Às vezes se cansam ou fraquejam. Mas sobram ainda as possibilidade táticas e, se usadas de forma adequada, podem trazer os benefícios essenciais à sensação de ter feito algo em prol de todos. É preciso coragem e elegância para lutar até o fim e sair de cabeça erguida é o que importa!
A vida às vezes é assim: não conseguimos ser geniais todo o tempo, fraquejamos e falhamos muito e muitas vezes, mas se soubermos como nos colocarmos ante às adversidades de forma tática e adequada podemos reverter resultados adversos. 

2014: O que dizer desta Copa para o Brasil?

Sem dúvida, estará na memória de toda a nação nosso grande fiasco de 7 X 1.
Perdemos para nós mesmos!
Afinal, a ausência de equilíbrio e a permissão para que o emocional suplantasse as capacidades de realização são  causa de muitas derrotas, e em especial as derrocadas do Brasil.
A superioridade técnica, tradição, experiência e força física caíram por terra diante da ausência de inteligência emocional. Ela de fato destrói não apenas um homem, mas pode levar à rebote um time inteiro!


Para dar à volta por cima diante à adversidade é preciso ter a cabeça no lugar... não se desorganizar e permitir que a mente suplante as competências. Se a ausência de inteligência emocional encontra espaço para se instalar todo investimento é fadado ao fracasso e o desapontamento, a tristeza e impotência diante de um fato materializam-se como derrota. Passado o ponto onde se poderia ter uma capacidade de resposta o que resta é apenas o lamento e as justificativas incabíveis... uma sensação de "e se"...



2018: De novo um mundial que não aconteceu para os brasileiros...
As lições precedentes nada acrescentaram e nos vimos repetindo nos mesmos erros e concepções.
O futebol há tempos se descolou do que seja a Identidade nacional.
O Mercado apropriou-se do que deveria ser a nossa cultura de pés com ginga e cria simulacros de craques que embevecidos pela imagem que a mídia lhes conta, acreditam ter méritos especiais e esquecessem-se de que no futebol é preciso a arte de aliar pés, mentes e corpos: não há jogo de um só!
Pela primeira vez em décadas não assisti a um jogo sequer.

As crônicas que escrevia após cada jogo cessaram. Silenciosas estão como todos os meus sentimentos em relação aos jogos que são apenas espetáculos midiáticos. Jogos, jogadores, torcidas são apenas um amálgama "vendidos" como marketing. Tudo tão plastificado, igual... monótono...

O que senti, todo o tempo, foi um tédio horroroso por uma repetição medíocre de atuações, coberturas jornalísticas, comportamentos... em campo, extracampo...
Quem sabe um dia volte a gostar de ver os jogos. O atual momento para mim é apenas de quietude...
Só consigo pensar o quanto nosso futebol saiu das ruas e a identidade de seus jogadores com nossa cultura.
Os tempos hoje são outros e os jogadores simplesmente tornaram-se apenas produto de consumo. Recebem fábulas para nada fazer e mascateiam artigos de luxo: de giletes de barbear a carros, iates, jóias... Uma parafernália que nada tem que ver com campinhos de várzeas, onde meninos pobres jogam com suas primeiras bolas de meia. Muitos se deslumbram e perdem o sentido do que seja seu ofício e como este se relaciona com a cultura de um povo.

O futebol, até por ter se transformado em um produto de exportação, nivelou-se de tal forma que hoje qualquer país do mundo consegue obter resultados em uma competição internacional. Além de produzir atletas competitivos e muito bem remunerados. É certo que representam a ínfima parte do que seja o esporte como um todo. Mas o capitalismo aqui avançou seus tentá-los e produziu cifras. Algumas absolutamente inalcançáveis pelos reles mortais.  

É talvez toda esta homogenização globalizante que me traz uma pitada de tédio, de mais do mesmo. Não sei... 

Tempos tristes estes de globalização, redes sociais e consumo exacerbado.


_______________
Posts relacionados:
A dança como metáfora corporativa
De metáforas e escrita...
O Carnaval como Metáfora
Cultive gênios: aprenda com os fracassos!

*
Curta/Acompanhe o Blog através de sua página no Facebook:
Conheça meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional
Siga-me no Twitter: @ElianaRezende10