10 de mar de 2014

Em Tempos de Tintas Digitais: Escritos e Leitores - Parte I

Por: Eliana Rezende

Em um post anterior introduzi o tema da fluidez de escritos e produções e os desafios que diferentes profissionais da área das Ciências Humanas enfrentarão ao tentar entender essa sociedade de princípios do século XXI, a partir de seus registros escritos.

De uma velocidade de ritmos e de suas relações, surge um mundo feito em compartimentos e uma explosão tecida em rede e composta por núcleos que se aglutinam e se afastam imitando o que seja viver em uma sociedade análogo-virtual.

São fragmentos compostos por pequenos textos, vídeos e mesmo imagens, que são concebidos e produzidos com intenções explícitas, quer por sua divulgação, quer por sua destruição. As formas de descarte são profundamente acentuadas e circunstanciada subjetivamente: a penúltima produção cede sempre lugar à última e que em vários casos encontra numa tecla delete o seu destino final. Tudo é facilmente substituído pelo imediatamente posterior. Ao “consumidor” final fica a incógnita dos objetivos, opções e escolhas tanto de uma ação quanto de outra.


As repercussões que tal ambiente, vivido e compartilhado em redes terá sobre comportamentos, ações e produções sociais, culturais e pessoais ainda gatinham. Estudos mais aprofundados precisarão e irão surgir como forma de remeter e verticalizar essas dimensões.

O que é indiscutível dizer é que as pessoas constroem uma representação de si (persona) tal como sempre o fizeram, o que ocorre no cenário atual é que as dimensões e o universo dessa exposição (avatar) são muito diferentes da que ocorria em tempos passados. Avatares (personas virtuais) expostos em compartilhamentos na rede possuem a possibilidade de ser construídos infinitamente pelos seus próprios produtores e reprodutores. Cortes e recortes são possíveis tanto quanto prováveis e tantos quantos queiram modificam o que tem em mãos para, em seguida, compartilhar a inúmeros outros.


Desse mundo editado e reeditado, fragmentado inúmeras vezes, os espaços de privacidade encurtaram-se. O ciberespaço oferece a dificuldade extra para que indivíduos consigam construir tais pontos. Anteriormente, eram físicos e circunscritos aos nossos locais de trabalho, a casa, a escola, nosso quarto: era simples defini-los. Hoje há uma movimentação tão grande e por tantos que a maioria não sabe bem onde acaba um e começa o outro, ou se de fato terminam! Espaços pessoais ou individuais, públicos ou sociais são movediços e se justapõem.

As chamadas correspondências ordinárias, biografias e mesmo diários, que forneceram tantos subsídios a gerações de historiadores e outros pesquisadores de diferentes áreas para análise e reflexão, encontram uma brusca mudança de formas e conteúdos. Em alguns casos, determinados formatos e padrões desaparecem ou vivem à beira da extinção.

Registros de próprio punho e correspondências com emissários definidos: algo totalmente em desuso e que inviabiliza a mais simples e primitiva forma de investigação composta por troca de ideias, pensamentos e sentimentos entre partes, está rapidamente desaparecendo. Substituídos por links, hiperlinks, textos, blogs, wikis e todas as formas de comunicação imediata, que são simplesmente tiradas do ar muitas vezes antes que as consigamos ler em sua inteireza. Conexões de sentido que ligam e linkam ideias e contextos perdem-se em malhas de sentido e, em muitos casos, pouco do que foi sua origem permanece.

(Continua aqui...)  e aqui:


________________
Posts relacionados:
Os Historiadores e suas fontes em tempos de Web 2.0
Em Tempos de Tintas Digitais: Escritos e Leitores - Parte II
Em Tempos de Tintas Digitais: Escritos e Leitores - Parte III
Pensados a tinta e escritos à máquina
Chegamos ao fim da leitura?
Facebook: robotização e sedentarismo em rede
Como se constrói uma Narrativa Fotográfica?
Curadoria de Conteúdos: O que é? Quem faz? Como faz?
Consumidores ou Coletores de Informação? 
Ler de forma produtiva. Mas como?!

*
Siga o blog também através de sua página no Facebook

7 comentários:

  1. Não consegui ler depois do continua ...
    O que li bastou . Leitura interessante .
    Eliana, nesses tempos "modernos" é dádiva seus textos. Ver expostos opiniões e ver criado fóruns de debate.
    O ser humano é único e não será substituído. Possuímos defeitos sem consertos a maioria das vezes. Somos incrivelmente nós !
    Os "avatar" antigos tinham um ser no seu interior que se autoconhecia e por isso usava o avatar. Era uma farsa necessária ,mas ele estava lá ...
    Agora confunde-se avatar e ser ; identidade ???
    A importância da Educação / Educadores ; profissionais " das humanas" é imensa e fundamental !!!
    Abraço grande !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ol@ Rosa...
      O "continua" seguirá em outro post.
      Tinha muita coisa para falar e por isso fiz vários posts menores para não cansar tdo mundo.
      Lembre-se que em tempos de tintas digitais as pessoas costumam concentrar-se pouco tempo na leituras: temos que fracionar!
      Abs e fico muito feliz de que minhas tintas de alcancem!

      Excluir
  2. Eliana,
    Boa Noite ! Em tempos de avatares e outros, percebo que muitas pessoas e até famílias estão se despersonalizando. Muitas vezes, em família, em casa , cada pessoa está em seu quarto, em seu note e raras são as oportunidades de se sentarem juntos para conversar. Nas escolas, na sala dos professores os computadores, tomaram o lugar dos papos formais e informais que aconteciam no horário do café. Nos restaurantes as pessoas ou até casais ficam jantando ou almoçando e cada um está envolvido em seu milagroso aparelho....Estou perto e distantes aos mesmo tempo, um do outro.
    Fico pensando no tempo em que nós conseguíamos encontrar as pessoas trocar idéias, pesquisar juntas e não cada um separado e em seu canto....
    Abraço, Graziella B. Zóboli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ol@ Graziella...
      O que vc relata é um comportamento que os fenômenos em rede conhecem bem: estranhamente aproximam oceanos e continentes e criam fossos entre pessoas que dividem o mesmo teto.
      Essa segmentação de vidas e individualização de trocas é um fenômeno interessante, pois sempre parece que o mais importante é a presença do ausente.
      A escrita digital tbm coloca esse sentido de fluidez, de sempre a última versão significar apagar a versão anterior. Reescrevemos nossas existências e pensamentos todo o tempo num eterno presente.
      Até quando? Não sei.
      A que preço? Não sabemos.
      A que custo? Ninguém sabe.
      Abs e muito grata pela interlocução!!!!

      Excluir
  3. Muito bom. Fico pensando o que fazer com o meu romance que me olha e me cobra finalização e o motivo de um livro escrito com formato também virtual anda devagar. Coisas de dúvidas de escritores... para onde seguir e achar o seu leitor. Gostaria de ler a continuação para poder publicar em minhas redes. Abraços e parabéns pela lucidez textual.

    ResponderExcluir
  4. Ol@ Marilice....
    Nossa civilização está sendo completamente mudada em seus comportamentos e relações com o escrito e o lido.
    É um assunto apaixonante e com certeza estarei trazendo a vcs essas minhas inquietações.
    Creio que a discussão vai um pouco além de encontrar leitores e ter suportes disponíveis. Não lemos e nem escrevemos como antes.
    Todo um conjunto de ações modificaram-se culturalmente. A linearidade de escrita que conhecíamos rompeu-se.
    Creio que um jeito bem proveitoso de compreender isso é ler o artigo que segue esse como continuidade.
    Aqui está o link:
    http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/03/em-tempos-de-tintas-digitais-escritos-e_23.html
    Abs e bonissim@ leitura a vc e aos com quem compartilhar! Espero que muitos mais venham e façam esse debate crescer para que eu encontre ainda mais elementos para refletir e escrever

    ResponderExcluir
  5. Ol@ Marilice....
    Nossa civilização está sendo completamente mudada em seus comportamentos e relações com o escrito e o lido.
    É um assunto apaixonante e com certeza estarei trazendo a vcs essas minhas inquietações.
    Creio que a discussão vai um pouco além de encontrar leitores e ter suportes disponíveis. Não lemos e nem escrevemos como antes.
    Todo um conjunto de ações modificaram-se culturalmente. A linearidade de escrita que conhecíamos rompeu-se.
    Creio que um jeito bem proveitoso de compreender isso é ler o artigo que segue esse como continuidade.
    Aqui está o link:
    http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/03/em-tempos-de-tintas-digitais-escritos-e_23.html
    Abs e bonissim@ leitura a vc e aos com quem compartilhar! Espero que muitos mais venham e façam esse debate crescer para que eu encontre ainda mais elementos para refletir e escrever

    ResponderExcluir