25 de jan de 2015

♫ ♪ ♫ Tomara que chova...3 dias sem parar ♫ ♪ ♫

Escrito e lido por: Eliana Rezende




(escolha a opção abrir com: 
Music Player for Google Drive)
        

E São Paulo se junta ao coro do Nordeste e do Rio de Janeiro quando canta com Emilinha Borba para pedir chuva. 
Vamos ao coro?


♫ ♪ ♫

Tomara que chova

Tomara que chova
Três dias sem parar
Tomara que chova
Três dias sem parar

A minha grande mágoa
É lá em casa
Não ter água
Eu preciso me lavar

De promessa eu ando cheio
Quando eu conto a minha vida
Ninguém quer acreditar
Trabalho não me cansa
O que cansa é pensar
Que lá em casa não tem água
Nem pra cozinhar

Tomara que chova
Três dias sem parar
Tomara que chova
Três dias sem parar

A minha grande mágoa
É lá em casa
Não ter água
Eu preciso me lavar

De promessa eu ando cheio
Quando eu conto a minha vida
Ninguém quer acreditar
Trabalho não me cansa
O que cansa é pensar
Que lá em casa não tem água
Nem pra cozinhar

♫ ♪ ♫


Mas aí penso que não vai dar!
O que fazer com tanta água querendo entrar?
São as ruas que se enchem e ninguém podendo andar.
Jogado daqui pra lá é o lixo que insiste em voltar.

É tanto sofá, tanto colchão flutuando na correnteza e eu sem lugar seco para deitar. 
Embalagens, frascos, latas flutuam num passeio de vai e vem.
E eu aqui parada tentando me salvar! 
O gato já se foi, correndo para não se afogar.
Em meio a tanto entulho, frutas e legumes dançam desordenadas em meio a água das cheias que as teimam carregar.

A compra do mês embolorou e a roupa estragou. 
Com tanta água suja nada se salvou.
Ir trabalhar não vai dar não: o transporte não vai funcionar. 
O ônibus não vai chegar, o metrô vai parar e o trem vai encrencar.
Os carnês ainda estarão molhados quando for pagar, mesmo que a geladeira e o fogão tenham saído para boiar. 

Agora é esperar toda água abaixar. 
Tem muita lama para arrastar, e o que sobrou para limpar. 
E torcer para que na próxima menos lama venha me encontrar.

Tanta água na rua e a minha torneira seca sem pingar! 
Sem água para beber, para limpar, ou cozinhar.
Em breve vai chegar minha conta d'água para pagar. 
É certeza que irão me acusar de ter gasto toda a água que ainda vai faltar!

Pensando bem, talvez seja melhor não chover 3 dias sem parar!



_______________
Posts relacionados:
As faces de Sampa
Vida sustentável nas Cidades é Cultural. E, isto se aprende!
Desagravo paulistano
*
Curta/Acompanhe o Blog através também de sua página no Facebook



4 comentários:

  1. Ol@s...
    Considerei que no dias dos 461 anos de Sampa seria um bom presente. A marchinha de Emilinha Borba é um clássico e retrata como nunca o que estamos vivendo agora. Aí não resisti e escrevi o restante do post usando a mesma lógica de construção da marchinha.
    Foi irresistível! Rs,rsrsrsrsrsr
    Abs e divirtam-se!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que você não resistiu!!
    Obrigada por compartilhar seus "devaneios da chuvarada" conosco! ;-)
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá Eliana!
    Depois de um ano em que faltas, racionamentos e não-racionamentos de água fizeram parte da rotina na capital paulista, era de se esperar que a modinha re-aparecesse. Apareceu a chuva, e com ela, as inundações e deslizamentos anuais do verão brasileiro. Sim, pois é uma constante anual, com água ou sem água nas torneiras, haverá chuvas e inundações. O trânsito vai parar, o morro virá até a avenida, etc. Já nem aparece tanto nos noticiários, assoberbados com escándalos e corrupção.
    E historicamente, o povo que se vire como puder. O Papa já tem problemas suficientes sozinho!
    Quem sabe, desta vez, a água acaba levando, além de móveis, casas e sonhos, um pouco dessa lama moral que nos cobre a todos.

    ResponderExcluir
  4. Olá Eliana e demais ....
    ótima reflexão!!!
    Seria ótimo mesmo Lionel se essa chuva levasse um pouco dessa lama moral que nos cobre a todos.
    Mas penso que essa lama só será lavada com "chuvas de conscientização política"...

    ResponderExcluir