4 de fev de 2015

Chegamos ao fim da Educação

Escrito e lido por: Eliana Rezende


(escolha a opção abrir com: 
Music Player for Google Drive)
“A escola acabou. É preciso encontrar outro lugar.”
(Michel Maffesoli)


Aqui uma interessante perspectiva é que a que defendo. O modelo de escola que temos está falido!
E não creio que tenha que ver com dinheiro e subsídios em primeiro lugar, antes sim tem que ver com motivação, objetos e objetivos. Neste modelo que conhecemos a educação não serve nem como elemento formador, inovador, nem criador. Há tempos este modelo deixou de tomar o individuo como um todo holístico inserido e integrado ao seu mundo e a seus tempo. Isto é, inserido em um contexto social, cultural, politico, econômico, produtivo.

Desde que a escola e seus sistemas supostamente inciaram a compartimentação, e pretensa especialização, os indivíduos começaram a atrofiar-se enquanto pessoas capazes de entender e propor alternativas ao seu tempo. E aí que todos os problemas surgiram.

A escola começou a ser vista, e funcionar, como um local onde conteúdos são dispostos e perfilados...apresentados um a um sem relação ou conexões. Tudo parece nada e nada precisa ser pensado, interpelado, questionado. O espirito crítico, criativo e elucubrador não é mais incentivado e cada vez mais, programas e conteúdos, são apenas dispostos como uma amassa amorfa a ser decorada. E aí que entram os elementos de desencanto, desinteresse e desmotivação não apenas de alunos, mas também de professores. Ninguém sabe ao certo porquê mesmo é que está ali, nem para quê.

A escola transformou-se em um local de metas e obrigações a cumprir e não um espaço criativo de vivências e oportunidades de convívio com o que é novo, diferente, instigante... infelizmente.

Daí que para este modelo, não há recursos que possam dar conta do esgotamento, desencanto e desmotivação.

O professor teria que ser apenas e tão somente um mentor a instigar e não um conteudista regurgitando conteúdos, números, dados, gráficos, tabelas, textos, poemas....precisaria ser capaz de transformar isso tudo em algo que estivesse conectado com o mundo em que estamos com a vida que tais discentes têm, rodeados de estímulos visuais, sonoros e, de que forma levá-los ao mesmo tempo a ver-se inseridos em uma sociedade que age e se reproduz desta ou daquela forma. Enquanto isso não ocorrer, não há reformas de currículos e verbas que darão conta de todo o sistema falido em que se pensa a Educação.


Vejo como única possibilidade de salvar a Educação o professor voltar a ser um iniciador!
Aquele que mostrará as ferramentas para que o discente descubra o mundo à sua volta. Só que mentores não são formados em escolas! Ser um mentor exige Sabedoria interior, visão holística aguçada, sensibilidade, perspicácia, generosidade intelectual. Todas características e qualidades que exigem cultivo, dedicação, disciplina. E aquí a minha pergunta: "quantos docentes tem estas qualidades?"

De novo insisto: estas qualidades não estão nos currículos de formação e não se adquirem por incentivos financeiros governamentais. Aí as "desculpas" cessam, já que precisam ser de inciativa individual daquele que chama para si a responsabilidade de ser um mentor intelectual.
Quantos agentes teríamos?
Boa pergunta!

A Educação precisa, e deve, ser pensada holisticamente. Sem este olhar terá chegado ao seu fim!

_____________________
Posts relacionados:
Criatividade e escola: caminhos incompatíveis?!
Chegamos ao fim da leitura?
Geração Touchscreen
Letra cursiva: a caminho da extinção?
Facebook: robotização e sedentarismo em rede

*
Curta/Acompanhe o Blog na sua página do Facebook
Visite meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional
Siga-me no Twitter: @ElianaRezende10




6 comentários:

  1. Visão holística não concebe os fatos isoladamente; sim, integralmente.

    ResponderExcluir
  2. Eliana, muito interessante o texto. Realmente parece que estamos formando robos. Só recebemos conteúdos e não questionamos como no tempo dos pensadores gregos. Temos que mudar e formar pessoas questionadoras e curiosas...

    ResponderExcluir
  3. Eliana, só me responde, onde vão parar os professores rebeldes? Qual a punição por eles quererem uma educação diferente, de dar um passo a mais e novamente, de reconstruir a escola a partir da sociedade do conhecimento coletivo. São muito boas perguntas.

    ResponderExcluir
  4. Texto super interessante. Nossos alunos não são incentivados a serem criativos. Muitas escolas preparam seus alunos somente para estarem em primeiro lugar dos aprovados nas principais universidades.

    ResponderExcluir
  5. Isso,se não agir de tal maneira,não serves para ela e,resultados em sua demissão!

    ResponderExcluir
  6. O sistema de ensino não muda , há muito tempo ,fomos formado nele e,formamos alunos(que mais parecem "conta corrente de um banco") quando se quer ou tenta mudar,vem aquele paradigma,formamos para o vestibular. Com o advento do ENEM ,pode ser que se consiga mudar.

    ResponderExcluir