18 de mai de 2015

A morte nossa de cada dia


Escrito e lido por: Eliana Rezende 

(escolha a opção abrir com: 
Music Player for Google Drive)




Quantas mortes cotidianas, pequenas, miúdas somos capazes de acumular em uma existência inteira?
Morremos a cada grande decepção, de tédio, de medo, de desejos, por ausências, por faltas, arrependimentos, anseios, despedidas e até de vergonha!

Estranho pensar que as pessoas, em geral, temem tanto sua morte derradeira e final, aquela que consome a carne, remove o oxigênio e paralisa células e coração, e se esquece que passa uma vida inteira aprendendo a morrer, deixar, desapegar, abandonar... ser deixado, largado e abandonado, preterido e até esquecido!

Então por quê do medo da última de todas as mortes?
Aquela que não nos obrigará a acordar no dia seguinte para de novo ver-mo-nos morrer?

Ainda há os que morreram uma vez e nunca mais conseguiram voltar a viver.
A morte em vida apagou-lhes o brilho, as vontades, os desejos, o viço... Morreram quando encontraram o medo do medo. Não foram capazes de encarar suas fragilidades, decepções, frustrações e optaram por, simplesmente, esquecer para ser esquecidos.
Assistem de longe aquela que teria sido sua vida.

Houve os que morreram de medo de aprender a viver com outros, de aprender a entrega, a troca. Tiveram medo de aprender que viver ao lado de outro significa em alguns momentos ceder e compor e levaram à morte relações ainda no nascedouro.

Muitos morreram de medo de mudar e ficaram presos no infinito de suas repetições e vícios. Sepultaram-se no tédio e no esquecimento de vidas imóveis e estanques. Morrendo de medo de opiniões alheias, críticas e avaliações.

Há os que morreram de inveja, ostentação, luxúria e simplesmente não entenderam suas vidas despojadas destes apetites tão mortais.

Morremos de desejos, uns cálidos e outros muito quentes, sutis ou arrebatadores, contidos ou descontrolados, cheios de pudores ou totalmente despudorados, alguns débeis outros avassaladores, mas todos desejos que morreram quer por nossas próprias ações, quer por alheias.

Morremos de saudades. De lugares, de pessoas, de cidades, de encontros, de vidas que tivemos.
Morremos pelo que dissemos e pelo que deixamos de dizer!

Ainda há os que morrem de esperar, ou os que ao contrário morrem de tanto procurar e não encontrar.
Morremos de angústia e de alegria...morremos...morremos...

Mas ainda que morrendo cada dia, encontramos a magia da ressuscitação diária e nos colocamos de novo ao alcance daquela que será a próxima das nossas mortes. Prisioneiros que somos daquilo que parece ser um eterno retorno de mortes em vida.


E assim seguimos, como na mitologia, com a vida por um fio em mãos de Cloto, Láquesis e Átropos. Tecendo destinos e nos destinando de acordo com seus caprichos.

Cloto, a fiandeira, tece o fio da vida de todos os homens, desde o nascimento;
Láquesis, a fixadora, determina o tamanho e enrola o fio, estabelecendo a qualidade de vida que cabe a cada um;
Átropos, corta-o quando a vida que representa chega ao fim.
Os Destinos assim repartidos para cada pessoa, no momento de seu nascimento: uma parcela do bem e do mal, embora cada pessoa pudesse acrescer o mal em sua vida por conta própria. Usando como ferramenta do destino a Roda da Fortuna. As voltas da roda indicavam períodos bons e maus.

E assim a vida numa brincadeira feita em trocadilhos, nos faz levantar todos os dias acreditando que a vida não nos faltará. Que a roda da fortuna continuará a rodar e que mesmo morrendo a cada dia a vida prosseguirá nos fazendo despertar de cada uma de nossas mortes, para receber nosso quinhão de bons e maus momentos.



____________________
Posts relacionados:
Quero meus direitos!
Tempo: valioso e essencial
Ruídos do silêncio
E se...
Afinal, quem você pensa que é?
Contradições em vidas modernas
Conheça e desenvolva seu FIB (Felicidade Interna Bruta)
Ser feliz é obrigatório?
Uma sociedade de performance
Trincheira das palavras

*
Curta/Acompanhe o Blog através de sua página no Facebook
Conheça meu Site: ER | Consultoria em Gestão de Informação e Memória Institucional




3 comentários:

  1. Olá Eliana, interessante seu texto.
    Pois bem, eis meu comentário:
    Morremos todo dia sim, alguns mais, alguns menos.
    É um fato biológico, não somos paramêcios nem hidras. Somos finitos, aceitemos nossa imortalidade enquanto dura!
    E, enquanto imortais, não percamos tempo nos preocupando com o fim da viagem. Pois esta, é nossa única certeza.
    Não transformemos frustações nem atrasos em paradoxos insolúveis. A estas alturas deveriamos ter percebido que vida e justiça, não andam sempre de mãos dadas. Às vezes estão até em campos opostos. O tempo criado por nós humanos, é algo muito particular. O tempo dos outros, é tão particular a cada um dos outros como o nosso. Todas as 'coisas' (como em criaturas da natureza), têm seu próprio tempo. Os objetos (como em criados pelo homem), têm um ainda menor.
    Desejamos como ideal, e conceitualmente, ideal é perfeito e inalcansável, uma vida justa, sem dor, e feliz... e ideal.
    Todos, vez por outra, encontramos a pedra no meio do poema, a chuva que não para, o fundo do poço e o fim da picada.
    Eu sei, já dei de cara com pedras, enquanto frio e molhado, num fundo de poço apinhado com gente armada de pá e picareta, ocupada a cavar mais um pouco.
    E, provavelmente irei passar de novo... guardo minhas pá e picareta sempre à mão.
    O sol ilumina os felizes e desditados, com a mesma luz e os aquece com mesmo calor. Não faz diferença a alegria ou desdita, não somos identificados com crachá dupla-face; hoje feliz, amanhã... não mais.
    Eu quero!
    E isso justificaria todo meu contentamento?
    Disse certa vez, que: "nós somos o meio-ambiente dos outros" ao perceber que estamos todos juntos e QUALQUER ação nossa afeta nosso vizinho. Nem sempre intencional ou de propósito, mas nossas palavras e ações (ou a falta delas) nos atingem, a todos, de formas inesperadas. Mesmo que nos saibamos todos bem intencionados e certos.
    Seria um paraíso, não haveria genocídios, guerras, fome, peste e... desculpe, mas haveria mortes. Não somos imortais paramêcios nem hidras.
    Morremos todo dia sim, alguns mais, alguns menos.
    ,,,
    "Mas espere", diria Pandora, "ainda somos imortais mesmo que falíveis. Tentemos bem melhor, amanhã".
    Tentemos empáticos e gentis (http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/05/empaticos-e-gentis-para-que.html).

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante esse seu paradoxo sobre a vida Eliana! Bem isso mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    ...a partir do momento que se nasce se começa a morrer....

    ResponderExcluir