5 de jan de 2018

Contradições natalinas

Por: Eliana Rezende


A humanidade é mesmo um mosaico de contradições que se manifestam sob vários aspectos.
Saio quase como que uma sobrevivente da que considero uma das maiores contradições ocidentais: o Natal!
O tempo tem passado e meu desconforto com esta data é inversamente proporcional a publicidade em seu entorno.
Não sei se pelo calor, congestionamentos, consumismo desenfreado, excessos de gestos, embriaguez, gulas e outras sandices guardo desta época profundo mal estar e péssimo humor.

Lia outro dia como o Natal é de fato, o maior exemplo de como se descumprir em apenas um dia um rosário de boas regras e condutas cristãs.
Vejamos:

Segundo o professor do Instituto de Psicologia da USP Cristian Dunker que analisa que o Natal vinculado ao consumo nega ponto a ponto os valores originários do cristianismo. Para os que não sabem quais são ou nem se lembra deles aí vão:
"(...) o altruísmo, e não a cobiça com os presentes; 
a sobriedade, e não a ostentação de árvores, luzes e enfeites; 
a felicidade imaterial gerada pelo amor como renúncia, e não o prazer material; e 
a comunidade de iguais e fraternos diante do Senhor, e não o individualismo e a concorrência entre diferentes modalidades, mais ricas ou mais pobres de convivialidade”(...)".

De minha parte vou ainda mais longe e explico as razões do meu mau humor com a data:

Andando pelas ruas, tanto nas vésperas como no próprio dia do evento, só o que vejo são pessoas vivendo seus excessos das formas mais primitivas: egocentrismo acentuado onde tudo o que é seu precisa ser o primeiro, o mais importante - as pessoas se acotovelam, espremem-se em estacionamentos, vias marginais, vagas... querem sempre o primeiro lugar, o melhor, e simplesmente estão dispostas a qualquer coisa para obter isso: buzinar, xingar, praguejar são a regra.

As pessoas em geral, estão sempre bêbadas ou inconvenientemente altas. Trafegam com garrafas e latas de cerveja como se fossem um troféu por seu 'merecimento' à suposta felicidade que tais drogas fornecem. Licitas ou ilícitas estão por todas as partes e lugares. Enfeitam selfies e são a medida usada para o quanto se está feliz e/ou se divertindo. Mas será mesmo que há tanta felicidade atrás de sorrisos plastificados  e engessados para exibir um selfie?

Estas mesmas pessoas nos invadem com seus gestos exacerbados, carros com alto volume, gritarias, fogos de artifício (o que me causa o maior dos estranhamentos, pois afinal, o que isso tem mesmo que ver com Natal?!), ligações de celular e WhatsApp onde todos, mesmo sem querer, acabam ouvindo tudo o que é dito deste e daquele outro lado.

Por seu turno, pais e filhos nos oferecem o espetáculo dos subornos natalinos: presentes e mimos são oferecidos em troca de suposto 'bom comportamento' e 'merecimento'. É comum assistirmos crianças aos berros gritando que querem isso ou aquilo, mas que ao término do primeiro dia estão entediados com a maioria dos brinquedos que ganharam, e os encontramos em geral jogados e quebrados num canto qualquer. 

Saindo das ruas e indo para a intimidade as coisas não melhoraram muito. Se as reuniões estão ruins no início, ficam a beira no insustentável quando a noite avançou, a bebida aumentou e a comida esfriou: o assunto acaba, as alfinetadas começam e o tédio se instala.
Em geral, são aquelas reuniões onde seres que estão apartados há anos se encontram e precisam assim permanecer até que toda a comida ou bebida acabe. Não preciso terminar o roteiro: todos sabem onde ele vai dar. E não é novidade para ninguém como estas noites terminam.
As coisas podem ficar ainda pior, se o dia seguinte continuar a requentar conversas ao mesmo tempo em que se consume o que restou da noite anterior.

Mas ainda não fomos para aquele que substitui o aniversariante em protagonismo:
O pobre infeliz do Papai Noel tropical além de vestido com aquele pijama vermelho horroroso tem que aguentar toucas e botas que imitam peles.... num pais onde temos temperaturas, a esta altura, de quase 40 graus! Sem contar os que ainda precisam aguentar perucas, barbas falsas, e enchimentos para a barriga.

E ainda não é o fim do poço, pois há as decorações! Ah as decorações natalinas! Como conseguem reunir tudo o que há de mau gosto em motivos, cores e miniaturas?! Ficam piores quando tentam usar algodão para imitar neve ou papel picado para simular uma nevasca.
E as renas?! Como explicar o que é uma rena???? Aí temos a descontextualização somada ao mau gosto... simplesmente não aguento... 

Mas ainda há as músicas e jingles. Alguém é capaz de circular por um shopping e pelas ruas sem enlouquecer?
É demais para mim....
Muito além do que sou capaz de suportar.


E o "amigo secreto"?! Como esquecer? Quem pode suportar tamanho desconforto? Em casa, no trabalho, com amigos de clube ou esquina, a brincadeira atordoa pela inconveniência  e por revelar como se pode entrar choque de uma só vez consumo, desinformação e empatia. Ninguém por mais tempo que permaneça com outro sabe adequar informações que possui sobre este ser que lhe coube num papelzinho com a devida empatia, sem destinar-lhe o vexame de receber aquilo que nada tem que ver com ele e ainda ter que agradecer!
Alguns dirão: "mas é voluntário, você entra porque quer". Mas experimente tentar se esquivar e logo verá que a 'opção' não é tão democrática assim.
Atire a primeira pedra quem nunca sentiu vergonha alheia e constrangimento nestas horas. Anos se sucedem, e parece que os grupos não aprendem nada sobre seus 'amigos'... 


O pior é que este tormento, em função do consumismo, tem chegado cada vez mais cedo e os temos de enfrentar já no final do mês de Outubro.

E como não poderia deixar de ser temos a ampla gama das pessoas: totalmente alienadas acham que o feriado é a desculpa perfeita para beber até cair e comer até vomitar! É um espetáculo tosco, pois mostra o quanto ainda a barbárie orbita os humanos e o quanto estamos próximos de instintos tão primitivos.

E aí o pobre Jesus nem é mencionado em lugar algum: não está nas rodas de conversa, não é lembrado ou citado em nada. Valores que deveriam ser relacionados à data passam longe de ser praticados.As pessoas avançam sobre a orgia de comidas e nem se lembram de que seria um bom momento agradecer, fazer uma prece. O alimento está ali apenas para a satisfação dos sentidos mais carnais. Passam longe de um sentido de conexão com o sagrado. Uma mesa posta em meio à uma selva teria a mesma reverência de leões e leopardos.

Fico imaginando que, se pudéssemos fazer uma nuvem de tags dos dias que antecedem o Natal e o próprio feriado teríamos como palavras principais e pela ordem as seguintes: cerveja, churrasco, peru, pernil, carne, panetone, presente, amigo secreto.... Jesus, amor, fé, compaixão, etc, etc... não apareceriam na lista.

Se duvidar, faça você mesmo as tags do seu feriado...  
Mas como para tudo o que é geral, existe as exceções, espero que você esteja entre aquela minoria de talvez 1% da população, que de fato tem nesta ocasião um bom motivo de estar em família, e usufruir este convívio de forma equilibrada, em sintonia de amor, paz, alegria e compaixão. Se assim for, é um grande felizardo: parabéns por integrar grupo tão seleto!


Aos outros 99% só desejo que não meçam a felicidade desta data pela quantidade de álcool que consumiram ou pelo tamanho da fatura a ser paga em janeiro do cartão de crédito. Os dois casos só dão dor de cabeça e colaboram imensamente para o enriquecimento da indústria farmacêutica!

De minha parte, o conto de Natal que quereria ver era o que libertasse todos de suas algemas de supostas felicidades natalinas:
  • ninguém teria que dar ou receber presentes que não quisesse; 
  • ninguém teria que assistir espetáculos inconvenientes patrocinados por taxas alcoólicas beirando ao coma; 
  • aquele Papai Noel fake totalmente liberto daquele pijama vermelho, com seus gorros e toucas; 
  • que a comida fosse farta em mesas bem arrumadas o ano inteiro;
  • que encontrar toda a família e tirar disso prazer fosse a regra do ano inteiro e não um dia específico;
  • que brinquedos nunca fossem usados como moeda de troca e suborno por bom comportamento, ou uma forma velada de suprir culpas e abandonos;

______________
Posts relacionados:
Feliz Olhar Novo!
Ceda Lugar ao Novo!
O cortiço de nossas almas 
Afinal, quem você pensa que é?
Contradições em vidas modernas
Ser feliz é obrigatório?
Conheça e desenvolva seu FIB (Felicidade Interna Bruta)
Natal sem trenó: o Eduardo Cunha manobrou!

*
Siga-me:
O Blog em sua página do Facebook:
Meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional
No Twitter: @ElianaRezende10
No Instagram: elianarezende2801


2 comentários:

  1. Felizmente, faço parte daquele 1%.
    Passei as datas festivas com pessoas agradáveis, tanto da familia como amigos, e com quem tive o prazer de estar em um dia tão sensível!
    E lembrei do menino Jesus!
    Mas, concordo com o texto, porém, percebo que o consumismo sem limites, a entrega desenfreada à bebida, as plastificações das selfies estão presentes em exagero no cotidiano, nas apenas nas datas festivas, embora, nessas ocasiões haja realmente um aumento da exposição.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Temos tentado, na família, nos orientarmos pelos ensinamentos do "aniversariante". Geralmente a ceia é frugal, há tempos que os presentes se limitam aos pequenos (para manter um pouco da magia aliada aos princípios que a data enseja praticar mais do que só apenas lembrar).
    Seu texto é instigante, demanda reflexão; o verdadeiro espírito natalino deveria se estender a todos os dias do ano, e as pessoas não o praticam nem no natal...
    Abraço,
    Adh2BS

    ResponderExcluir