8 de fev de 2014

Uso de tecnologias como política de preservação de patrimônio cultural - documental

Por: Eliana Rezende


Em outro post esclareci o que a Gestão Documental pode representar para as instituições do ponto de vista de racionalidade administrativa.

Nessa oportunidade, estaremos tratando do valor de políticas de preservação de patrimônio cultural-documental  de acervos históricos dentro das instituições e de que forma são importantes como meio de garantir que informações contidas em documentos de diferentes suportes tenham asseguradas sua permanência através do tempo, para beneficio da pesquisa, cultura e inovação.

Com esta responsabilidade e preocupação é que as diferentes tecnologias disponíveis no mercado têm se transformado em coadjuvantes num trabalho que possui duas frentes: de um lado, a disponibilização de informação de qualidade em tempo reduzido ao mesmo tempo em que possibilita que políticas de preservação e conservação se efetivem.

A noção de patrimônio é interessante quando pensamos a massa documental existente no interior das instituições. O conceito de patrimônio vem se alargando contemporaneamente e neste sentido pode tomar não apenas a produção humana (obras de engenharia, monumentos, tecnologias, etc) , mas toda a produção emocional e intelectual das sociedades (música, poesia, acarajé, entre outros). Assim, o patrimônio é um bem cultural que permite que possamos conhecer melhor a sociedade e o mundo que a cerca, desde que estes sejam capazes de vencer o tempo.

Ministrando Oficina de Preservação e Conservação Documental

E é exatamente esse o desafio que se coloca aos profissionais que atuam com documentos que necessitam ter uma guarda de longa duração. Como atuar de forma eficiente e eficaz realizando todo o trabalho de manutenção de acervos com políticas de preservação e conservação de documentos, ao mesmo tempo em que se garante o acesso às informações que tais registros contém? Como garantir que a informação seja preservada em quaisquer que sejam os seus suportes e que as mesmas sejam utilizadas como meios para a criação de inovação e conhecimento?

Indubitavelmente o que se coloca como prioritário nesta sociedade é quais serão os critérios para definir que informações têm relevância suficiente para justificar seu alçamento à posteridade através de investimentos em recursos humanos, tecnológicos e financeiros para sua manutenção.
Uma noção essencial a ser explicitada é a de preservação e conservação de documentos. De forma didática, poderíamos definir cada uma delas da seguinte maneira:

Preservação = ações de prevenção da deterioração e que tem como principal objetivo o de proteger e salvaguardar o Patrimônio. É composta por técnicas preventivas que envolvem o manuseio, acondicionamento, transporte, exposição e o controle ambiental.

Conservação = caracteriza-se pelo conjunto de  intervenções diretas, realizadas na própria estrutura
 física do bem cultural, com a finalidade de tratamento, impedindo, retardando ou inibindo a ação nefasta
ocasionada pela ausência de uma preservação. É composta por tratamentos curativos, mecânicos e/ou químicos, tais como: higienização ou desinfestação de insetos ou micro-organismos, seguidos ou não de pequenos reparos

Ministrando Oficina de Preservação e Conservação Documental

As duas ações, se realizadas enquanto políticas garantem a integridade e manutenção do patrimônio existente no interior de instituições e, em nosso caso específico, os acervos documentais em
seus diferentes suportes. Com este caráter são também chamadas de ações de conservação preventiva, cujo objetivo principal é não permitir que os documentos tenham que sofrer processos de restauração, que
representam maiores custos e demandas especializadas.

Além destas preocupações, a importância de ações contínuas e coerentes coloca-se como condição fundamental. Não adiantaria criar inúmeras ações sem garantias que possam ter continuidade,
ou mesmo que se consumam recursos em demasia em uma direção, esquecendo-se completamente de outras (não adiantaria embalagens de boa qualidade quando o local em que os materiais estão guardados
é inadequado).

Daí a necessidade de definir prioridades e planejar o futuro: estabelecendo programas e projetos que se desdobrem e que possuam como principal objetivo a permanência, ao mesmo tempo em que a
preservação e conservação estejam garantidas.


Este trabalho só é bem sucedido quando se conhece de perto as necessidades e demandas internas e externas dos usuários, e possui um trabalho minucioso, pautado em um cronograma realizável .  
Um cronograma de trabalho aplicado às reais necessidades dos usuários viabiliza passos e aponta caminhos a serem seguidos com metas claras e objetivas. Não se perde tempo com aquilo que não importa ao mesmo tempo em que se enxergam rapidamente áreas de gargalos e realizações.

De tudo o que se disse, têm-se que a disponibilização de acervos via informatização vem sendo um trabalho árduo, com inúmeras reflexões sobre a aplicabilidade de tecnologias aos acervos históricos em geral e o cumprimento de requisitos mínimos de preservação e conservação digital.

A discussão sobre este e outros temas seguem em outras postagens...

_______________
Posts Relacionados:
Patrimônio Arquitetônico: Preservar não é apenas tombar!
O valor da Memória Institucional no Universo Organizacional 
Digitalização substitui Gestão Documental?


4 comentários:

  1. Muito didático, e útil para nós estudantes e ou profissionais.

    ResponderExcluir
  2. Olá Waldemir...
    Obrigada!
    Essa é a ideia: transformar um tema complexo e técnico numa forma mais palatável, mesmo para os mais leigos.
    O post surgiu de um artigo que escrevi sobre um trabalho que desenvolvi na UNOCHAPECÓ/SC - Brasil.
    Como forma de favorecer as postagens estarei fazendo posts. Portanto, o tema segue!
    Acompanhe!
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei da atitude do texto, porém sinto que falta algo mais prático, e mais específico. Sinto que muitos profissionais estão no meio de um "limbo" conceitual, especialmente quando mencionamos as TIC's. Quais ferramentas, quais tecnologias, etc.. as vezes sinto falta disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ol@ Patrick...
      Entendo perfeitamente o que disse e exatamente por isso esclareci que o post será feito em partes.
      Não seria possível colocar tudo num espaço de um post.
      Fracionei as informações e irei disponibilizando o que é a minha experiência e a de algumas outras pessoas.
      Aguarde, por favor!!!
      Abs e volte sempre e não deixe de expor suas dúvidas e angústias. Posso não saber responder, mas no Debate poderemos ter a ajuda de outros. O que acha?

      Excluir