14 de abr de 2014

Escravos do celular?

Por: Eliana Rezende


O tema é interessante e talvez por isso esteja na terceira pessoa.
Em maior ou menor grau estamos atropelados e invadidos pelos  meios de comunicação. Diferente do que ocorreu com o telefone fixo quando de seu surgimento, havia um "manual de uso e recomendações" sobre horários e situações.

O ilustrador americano J. J. Sedelmaier, que tem uma coleção das mais belas peças criadas pelo designer industrial Henry Dreyfuss, durante o longo reinado da Western Electric, Bell Telephone Company e AT&T, divulgou recentemente uma pequena preciosidade.


Trata-se do Manual confeccionado em 1950 pela Bell que ensinava o bê-a-bá a quem se iniciava no uso do telefone em casa. Uma delícia de lembrança de tempos idos. Confira:


O ritual de receber ou fazer uma ligação merecia horário e até uma mesinha de canto especial para o digno aparelho. A ligação era sempre recebida sentado e confortavelmente acomodado em uma cadeira ou poltrona. Nada merecia a interrupção da mesma, exceto por problemas de comunicação. Era usual o recolhimento de uma sala e uma porta fechada.  Tinha-se cuidado em não ligar em horários como almoço, jantar e nunca ligávamos após determinado horário.

Creio que não seja o caso de falar de um saudosismo sem sentido.
Talvez devamos pensar o quanto nossos hábitos foram transformados com uso de celulares.
Se tomarmos o exemplo do manual aqui apresentado, notamos o quanto nos afastamos do sentido de uso para alguns fins. Os telefones celulares invadem espaços públicos e muitas vezes nos "invadem" tornando pública a vivência e intimidade alheia.

A pergunta que fica é: será que com a aposentadoria do telefone com fio, todo o conjunto de boas maneiras também foi aposentado?

Óbvio que não estou aqui a divagar sobre um saudosismo sem sentido. Mas vamos lá:

Hoje as pessoas não se separam dos mesmos e eu pessoalmente já vi aeromoças tendo que discutir com passageiros que insistem em falar ao telefone, mesmo após o fechamento da aeronave. Os aeroportos nesse sentido, são exemplos de pessoas que são exímias no seu exercício da falta de respeito cotidiano: em busca de fechar um último negócio, marcar a última reunião ou dar a última recomendação às pessoas. Simplesmente esquecem-se de que partilham um espaço público e como tal não diz respeito a quem está ao lado sua vida pessoal ou seus negócios.  As salas de embarque parecem espaços de autistas (com minhas desculpas aos autistas), pessoas ensimesmadas (será que assim que se escreve) e sem disposição alguma a relacionar-se com o que não está devidamente garantido por uma blindagem virtual.  De fato, novos tempos e nem por isso melhores!

Os sons dos celulares que são rádios conseguem ser ainda mais invasivos e causar mais desconforto, pois além de ouvirmos quem está deste lado, ainda somos obrigados a ouvir quem está do outro lado com voz distorcida e barulhenta. Há ainda os que "gritam" e gesticulam e fazem-nos saber de tudo o que lhe vai à mente.

Infelizmente, perdeu-se a polidez da vida vivida em público e as pessoas esquecem-se do que seja educação neste sentido.

Há os que teimam em usar seu telefone no cinema, teatro e que sacam seus telefones não apenas para telefonar, mas para filmar e fotografar o alheio (um espetáculo de desrespeito à arte e a quem quer que seja que esteja numa situação de apresentar-se).

E porque não falamos dos celulares que saem das pias de banheiros e lavatórios direto para mesas de bar e restaurantes?! Isso é de fato o fim!
Qual então seria o caminho?
Alguém tem palpites?



Em verdade, deveríamos nos tornar donos do objeto e não o seu contrário!
Costumo dizer que o celular é um rastreador e que serve mesmo como uma tornozeleira de prisioneiro. Mas diferentes de outras algemas, essas temos as chaves e podemos escolher pôr ou tirar a hora que desejamos. Em geral, todos somos "rastreados" com nosso consentimento e o que ocorre é muito mais uma compulsão pelo ausente e uma infinita vontade de ser notado ou lembrado. Inúmeras discussões estão sendo frequentes no sentido de apontar para o grau de insegurança que muitos têm em não serem lembrados por meio de mensagens ou telefonemas.

Vejo cada vez mais que seria fundamental repensarmos as etiquetas de convívio social. Interessante pensarmos que este mundo tão conectado e interligado gera fossos gigantes entre pessoas que às vezes partilham o mesmo quarto ou como no caso aqui: partilham a mesma mesa de bar. Cada um muitas vezes trouxe apenas o corpo e largou a alma e a concentração em outra parte.

Mundo interessante o nosso: conseguiu separar o que só na ficção e algumas religiões se via, ou seja, o corpo da alma!

Estamos assistindo uma profunda transformação social, cultural, de tecnologias e costumes. Só que estas não vieram acompanhadas de um sentido de autoconhecimento e refinamento pessoal (aqui entendido como o que é o nosso espaço e o que é o do outro). Esse equívoco comportamental tem levado muitos a viver este desconforto, em especial em relação aos que passam longe das regras mínimas de convívio.
Há um reforço no mundo contemporâneo por atitudes egocentradas. Onde as pessoas simplesmente não acham que erram, porquê consideram que o que fazem é seu direito.


Entramos de fato na situação clássica de estendermos ao outro o direito de controlar nossas ações. A partir do momento que estabelecemos essa relação entramos na situação de consentimento. Aí entram todas as formas de controle e cobrança.

Acho que conseguir manter a sanidade de hierarquizar prioridades, pessoas e lugares será o único caminho de continuarmos a ser donos de nós e de nossas ações. Se assim não fizermos, teremos outras pessoas e gadgets fazendo isso por nós.

Esta é a medida das coisas: entender que qualquer forma de tecnologia cumpre seu dever se ocupa o seu espaço devido em nossas vidas, sem escravizar-nos nem impor-nos comportamentos e ações.

A sociedade como um todo terá que aprender como dividir, ceder espaços e adequar posturas. O caminho parece longo, e em vários casos, as pessoas não parecem entender o quanto isto é importante para uma coexistência pacífica entre todos.
Meu celular tem horário de funcionamento e respeita o fim de semana... para o meu bem e de todos os que me cercam!


A ideia da intermediação por meios externos se estende a muitas de nossas formas de convívio e relação com o mundo de hoje. Encapsulamo-nos em diferentes formas que produzem uma relação indireta: é o caso dos carros, das redes sociais, dos gadgets em geral e claro está: do celular.

Estas vias externas retiram a sensação do olho no olho e colocam o indivíduo sempre às voltas com ele próprio e com o que considera seu universo de ação e direito. É só olharmos na rua e veremos a quantidade de pessoas com seus fones de ouvidos fechados cada um em seu mundo.

Este ainda é um bom caso. Pior são os que estendem seus desejos e os impõem aos outros: caso típico das conversas altas ao celular e as músicas tocadas em alto e bom som de seus carros (analisados pela psicologia como uma forma do indivíduo conceber o que seja o seu próprio corpo!).

Tomando-se por este olhar, não sei para onde vamos, mas sei que vamos mal!

__________________
Posts relacionados:
Geração Touchscreen
Você ainda escreve carta?
Afinal, quem você pensa que é?
Facebook: robotização e sedentarismo em rede

3 comentários:

  1. Creo que es una reflexión crítica muy oportuna. Los móviles o celulares, como los denomináis por Latinaoamérica, se han convertido en una verdadera obsesión y más desde la aparición del wasshapp. Los jóvenes parecen no saber vivir sin tenerlos a su lado y intercambiando mensajes continuamente; mensajes que muchas veces no son más que banalidades, pero aún así les desconcentra a la hora del estudio e incluso a la hora de dormir, más de tres y más de cuatros adolescentes pasan la noche con el celular en la cama con ellos. ¿Se puede descansar bien, como requiere el cuerpo y la mente, si estás como los vigilantes con un ojo abierto por si suena el próximo mensaje? ¿Cómo se puede rendir después en clase? Los padres tienen que luchar para que el móvil se quede fuera de la habitación de su hijo.
    Los mal acostumbramos empujados por una sociedad de consumo que una vez más expande necesidades, que estarían justificadas en ciertos ámbitos profesionales, pero que no debieran extenderse más allá de esos contextos. Pero incluso eso ya empieza a dar malos resultados: más estrés, taquicardías, etc., así los altos ejecutivos franceses han visto como la Ley les obliga a desconectar sus móviles 11 horas.
    Vamos a seguir soportando los demás esa tortura de vivir pegados al aparatito. No hay nada que nos incumba directamente a la mayoría de los mortales que pueda suponer una catástrofe ni mundial ni nacional.

    ResponderExcluir
  2. Ol@ Jaume...
    Sim, tens toda a razão!
    Sabe que tenho recebido depoimentos de pessoas que se dizem viciadas e dependentes desse aparelho.
    De fato temos sido capazes de formar uma legião de ansiosos e autocentrados, sendo na maioria das vezes pessoas que vivem em mundos à parte e em muitas vezes fictício. Imagens e galerias de "amigos", "seguidores" são na realidade enormes buracos negros de carencias e ausências. Ninguém consegue ter maiores e mais verdadeiros amigos por tanta ansiedade e consumo.
    Veja, de novo não quero que me tomem como contrária às tecnologias e seus usos: afinal estamos aqui e nos valendo de um espaço de troca e de interatividade. O que considero um problema é quando tudo se exacerba e perde-se a dimensão de convivência e troca social face a face ( e isso significa com todas as suas nuances e dificuldades), qdo o sentido de "posse" se instala e o individuo se subjuga. Aí sim os problemas começam....
    Inclusive há no Hospital das Clínicas de São Paulo ha no Departamento de Psiquiatria um Grupo que cuida de dependentes de tecnologia. Pessoas dependentes e muitas doentes tendo de ser tratadas.
    Abs e usos com moderação e saúde!!!

    ResponderExcluir
  3. Ol@ a todos...
    Em um dos Grupos que esse post foi postado fui inquirida por um integrante sobre o termo autista. O integrante queria que eu retirasse o mesmo do meu texto.
    Como resposta ao integrante, e eventualmente como esclarecimento a eventuais leitores que considerarem indevido o termo reproduzo o comentário que fiz:

    "(...) Acredito você deveria ler melhor o texto. Quando fiz a observação, fiz um à parte e creio que você devesse ver o contexto em que expus o termo. O termo autismo longe de ser pejorativo é um termo que designa uma patologia. O tabu não é em usar, mas sim usar de forma inadequada, o que tenho certeza que não foi o caso.
    Tomando-se o dicionário, dentre tantas definições e atribuições temos a que se adéqua perfeitamente aqui ao post e que transcrevo:

    "Pessoas com autismo podem ficar presas a um mundo de comportamentos ritualísticos. Com variável incapacidade de interagir com as pessoas a sua volta.
    Nem todo autista é igual, existem autistas mais sociais que outros, outros são mais intelectuais, e assim por diante. Por isso dá-se o nome de Espectro Autista a estas diferentes manifestações do autismo: o autismo tem vários níveis, desde os mais graves (o autismo típico em que as pessoas geralmente pensam) até os casos mais sutis. Muitos autistas não são muito diferentes de pessoas tidas como "normais": possuem hábitos consolidados, reagem com dificuldade a situações que os desagradam, possuem manias e preferências.
    As características mais comuns do autismo são:
    Dificuldade na interação social (como todo e qualquer indivíduo, por exemplo);
    Dificuldade acentuada no uso de comportamentos não-verbais (contato visual, expressão facial, gestos);
    Sociabilidade seletiva;
    Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades:
    Preocupação insistente com um ou mais padrões estereotipados (movimento circular, por exemplo);
    Assumir de forma inflexível rotinas ou rituais (ter "manias" ou focalizar-se em um único assunto de interesse, por exemplo);
    Maneirismos motores estereotipados (agitar ou torcer as mãos, por exemplo);
    Preocupação insistente com partes de objetos, em vez do todo (fixação na roda de um carrinho ou na boca de alguém que fala, por exemplo);
    Seguir uma vida rotineira e resistir mais do que uma pessoa comum resistiria quando ela é mudada;
    Tendência a uma leitura concreta e imediatista do contexto, seja ele linguístico ou ambiental ("levar tudo ao pé da letra")".

    A leitura tem mesmo dessas coisas, e em geral uma pessoa pode atribui um significado que não foi o objetivo.
    Sabes que estou preparando um post onde fala dessa tentativa de assepsia às palavras? Colocadas corretamente e em seus contextos podem e devem ser usadas.
    Em sendo assim, o post permanecerá tal como está e que como verifica está perfeitamente adequado ao que eu quis dizer no post. (...)"

    Abs

    ResponderExcluir