18 de jan de 2014

O valor da Memória Institucional no Universo Organizacional

Por: Eliana Rezende

Em outro post procurei explicar minha abordagem para Gestão Documental e sua importância no universo institucional.

Nesta oportunidade, gostaria de introduzir o tema Memória Institucional, sua importância no universo corporativo e de que forma a vejo e proponho.

O tema Memória Institucional é extenso e possui pontos de contato com diferentes temas. Por isso, optei por tratar cada um deles num formato que denominei de "pílulas" e que se distribuirão num decurso de várias postagens. Acho que isso facilitará sua abordagem e imprimirá sentido para os que começam a se debruçar sobre este tema.


Como introdução, diria que a Memória Institucional necessita de um trabalho interdisciplinar e que tem na informação sua principal matéria-prima. Estas informações precisarão ser resgatadas, organizadas para depois poderem ser disponibilizadas. De acordo com isto, é fundamental ser pensada de forma sistêmica. Com a observância de princípios metodológicos oriundos da arquivística, como garantia de que o caráter histórico, probatório ou de patrimônio cultural-documental, seja preservado às gerações futuras e de fato se consolide como uma Identidade Institucional.
Escrito por: Eliana Rezende, Janeiro/2012.

Se você notou, em apenas um parágrafo vários termos técnicos e específicos surgem e necessitam ser melhor desenvolvidos. Daí a opção por "pílulas explicativas" e posteriores em torno dos temas que essa abordagem representa.
Portanto, fique de olho!

A Memória Institucional pode, e deve ser compreendida, como um meio eficaz para a manutenção da informação com vistas à gestão organizacional. É uma ferramenta eficiente para a tomada de decisões estratégicas e colabora para a geração de inovação e produção de conhecimento, ajudando a criar uma identidade para a instituição, seja ela do ramo social, cultural ou empresarial.

Neste sentido, é uma área com contribuição interdisciplinar com vistas ao trânsito informacional e à comunicação no interior das instituições.

A necessidade de abordar este tema se dá porque recentemente muitas empresas começaram a investir em suas memórias institucionais e rapidamente encantaram-se por projetos que, muitas vezes, deixam de ter a visão e a perspectiva adequada.

Num jargão, são "vendidos como perfumaria", sem uma reflexão sobre a importância e o papel destas memórias na constituição da identidade institucional.
Essas empresas são seduzidas, muitas vezes, por produtos muito mais relacionados à imagem de marketing e voltam-se para exposições, livros comemorativos e linhas de tempo. Isso porque não há uma problematização consistente, que relacione a instituição ao seu tempo e ao seu meio social e cultural. O cuidado nesse ponto é fundamental.

Diante disto, que caminho seguir?
Como extrair deste trabalho o melhor?
Como pensar em um Projeto de Memória Institucional?

Todos serão temas que abordarei. 

Uma conversa com vários posts: espero por vocês!

________________
Posts relacionados:
Uso de tecnologias como política de preservação de patrimônio cultural - documental
Gestão Documental para racionalidade e transparência administrativa

10 comentários:

  1. Não será a própria atuação da instituição a marca de sua história? Como os telhados que Lisboa, que estão lá, a esperar a saudade que deixam em quem os conhece... A memória institucional não é um pouco como esta saudade que só deixa quem produz e faz algo marcante por que tem um caráter assim?
    Abç,
    Adh2bs

    ResponderExcluir
  2. Ola Adh2bs...
    Vai um pouco além, e por isos disso que é tema de vários posts.
    É complexo pq envolve tbm as memórias individuais de todos os que nela atuaram.
    Tem uma dimensão que é pessoa, individual e outra abrangente que toma seu entorno social, cultural, político, economico de atuação.
    Tbm não é uma memória estática. Ela é fragmentária e composta ocmo que por camadas de sedimentos.
    Espero que apareça qdo eu for destrinchando isso...
    Assim garanto boa interlocução!
    Quero que minhas palavras encontrem eco e voltem com outros olhares.
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Eliana, gostei dessas informações e me interesso em acompanhar suas "pílulas". Parabéns por sua iniciativa.

    ResponderExcluir
  4. Ol@ Vani...
    Muito obrigada e que bom que gostou da ideia.
    O tema é extenso demais para um único post, por isso a ideia de pílulas.
    Para não perder nenhuma postagem te sugiro seguir o Blog. O que acha?
    Abs e te espero
    : )

    ResponderExcluir
  5. Eliana, bem interessante essa abordagem com várias camadas pois torna o trabalho mais interessante pra quem faz e lê. Possibilta várias abordagem e cruza um pouco co a publicidade até sugerir perfis mais inovadores pra empresa. E poa aí?

    ResponderExcluir
  6. Olá Cafaro...
    Obrigada!
    Qdo abordo esses temas procuro ser o mais didática possível.
    Ele implica muitos conceitos e podem confundir.
    Abs e apreça mais para continuar a ver os desdobramentos do tema nos outros posts que se seguirão

    ResponderExcluir
  7. Olá querida mestre,
    adorei!!!a memória institucional realmente está além da história, ela tem um dinamismo entre os três tempos, ou seja, ela está envolvida na gestão do conhecimento da empresa, assim como nos negócios, estratégias e inovações.

    ResponderExcluir
  8. Olá Andréia....
    Que bom vc por aqui!
    Sim, minha querida: a Memória Institucional não é perfumaria! Pode trazer muitos benefícios à instituição e auxiliar em processos de inovação e fortalecimento da Identidade Institucional.
    Falaremos mais sobre isso em outros posts: fique de olho!
    Abs

    ResponderExcluir
  9. Através da experiência em pesquisa de marketing notei algumas vezes que as circunstâncias de origem (momento histórico, estilo e visão dos primeiros dirigentes) influenciam os rumos e o caráter das instituições, de tal forma que mesmo com as mudanças ao longo do tempo, não chegam a se descolar das suas sementes. Como acontece também com as pessoas, que evoluem em espiral retomando e recriando pontos de origem. Não tenho conhecimento específico, mas intuo que a memória institucional se dê da forma comentada, numa amálgama de sedimentos (origem, impacto da sua produção no ambiente geral, ressonância afetiva, forma de se comunicar, etc...), resultando em algo maior que a soma das suas partes ou sedimentos.

    ResponderExcluir
  10. Ol@ Renata....
    Sim, tua intuição vai em boa direção.
    Acho que podemos pensar a memória institucional como sedimentar, como aquelas camadas que encontramos de civilizações passadas.
    Não se desfazem mas acomodam o que vem de forma mais recente.
    De outro lado, coloca-nos em contato com perspectivas diversas e daí a importância do respeito ao que é de cada um.
    Abs e muito grat@ por teu comentário. Desculpe a demora...mas estava ocupada construindo novos posts....

    ResponderExcluir