14 de jan de 2014

Os Historiadores e suas fontes em tempos de Web 2.0

Por: Eliana Rezende

Em geral, textos que abordam o ofício do historiador pretendem trazer em seu bojo aprofundamento de questões metodológicas ou mesmo de caminhos investigativos.
Devo confessar que não é meu intento!

A proposição aqui é muito mais expor uma inquietação provocativa e lançar aos futuros historiadores questões em relação ao seu trabalho e investigação com as fontes produzidas na contemporaneidade de princípios do século XXI.

É da minha lida com a preservação e conservação de fontes documentais para posterior consulta e produção de pesquisas que suportam investigações e caminhos que este ensaio nasceu.
Tais preocupações com acervos em diferentes instituições impõem a reflexão e aplicação de metodologias e procedimentos que garantam o acesso à informação contida em documentos sob os mais variados suportes para as gerações futuras.

O historiador lida com fontes: pequenos indícios deixados voluntária ou involuntariamente que atravessam épocas, transpõem espaços, vencem intempéries, descasos, o tempo e as muitas formas de deterioração intrínseca e extrínseca de seus suportes. Encontram diferentes usos, e em vários casos funções e pertencimentos que são próprios do fazer-se “prova” ou “testemunho”. Escrito por: Eliana Rezende, 2012

Artífices que tecem intrincados caminhos deixados por fontes prováveis e improváveis, os historiadores transformam-se em porta-vozes de um tempo... de uma trajetória feita por questões e investigações. Conexões são feitas e refeitas, caminhos investigativos desbravados à luz de diferentes métodos e matrizes teóricas. Em muitos casos, o caminho é árduo e construído a partir de hiatos, de não-ditos, de silêncios e omissões. Tece-se a construção de uma trama que circunda um objeto fazendo disso a História, nem certa,
nem errada, apenas por um ângulo ou prisma diverso.

Em todos os casos, tais registros da atividade humana em toda a sua complexidade são fixados em diferentes suportes e por toda a História encontraram suas formas de perenidade para mais adiante sofrerem o trabalho crítico de pesquisa e crivo.

Diante de tal complexidade laboriosa e detalhada que cada fonte solicita e da quantidade de suportes e de registros de que dispomos, oferece-se ao olhar pesquisador ampla gama de produtos que servirão como fonte de pesquisa e matéria-prima para a História.

Coetâneos em sua essência, nossa sociedade vive a construção de um novo paradigma sobre a forma como produz conteúdos e informação.
Tomo de empréstimo o sentido de coetâneo proposto por Duque (2011):
“[...] Coetâneo, aqui, abriga o significado do que é contemporâneo e ao mesmo tempo integrante de contexto de vanguarda social, política, econômica, técnica e científica [...].”

É o uso intensivo de tecnologias de informação e de comunicação que tem diferenciado nossa sociedade de princípios do século XXI e que, sem dúvida, imporá aos profissionais de diferentes áreas de conhecimento e, em especial, para o nosso caso as Ciências Humanas, o desafio de encarar escritas e trilhas que vão muito além do que se supôs até então.

Objetivo oferecer ao leitor alguns questionamentos sobre o universo de atuação profissional das Ciências Humanas em tempos de imediaticidade, produção em massa e, ao mesmo tempo obsolescência e transitoriedade de suportes. Inquietações de ofício partilhadas com pares: da quantidade que suplanta em muitos casos a capacidade de assimilação e registro, que inviabiliza reflexões posteriores de algo que não mais estará ali aguardando por séculos para ser analisado.

Esse é o mundo em tempos de Web 2.0, 3.0 e em vias de transformar-se numa versão 4.0.

A conversa e seus desdobramentos seguem em outros posts, que você pode conferir aqui:

...


____________
Posts relacionados:

Em Tempos de Tintas Digitais: Escritos e Leitores - Parte I
Pensados a tinta e escritos à máquina
Como se constrói uma Narrativa Fotográfica?
Chegamos ao fim da leitura?
Curadoria de Conteúdos: O que é? Quem faz? Como faz?
O valor da Memória Institucional no Universo Organizacional
Uso de tecnologias como política de preservação de patrimônio cultural - documental
Gestão Documental para racionalidade e transparência administrativa

6 comentários:

  1. Parabéns pela iniciativa e muito sucesso !

    ResponderExcluir
  2. Olá Marco Antonio....
    Muuuito obrigada pelos votos!
    Te espero voltando e comentando sempre que der, ok?
    Quero esse espaço cheio de boas conversas.
    À propósito, já se inscreveu para seguir o Blog?
    Assim vc não perde as postagens e me alivia da divulgação, rs,rs,rs, rs,
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Eliana realmente vc levantou uma questão de discussão mto pertinente para esse tempo q estamos vivendo! Fiquei curiosíssima para ler a continuidade do seu pensamento e a colaboração q os demais seguidores do seu blog irão ou já estão fazendo! Confesso q estou chegando agora, não li os "desdobramentos em outros posts", como vc disse q seria, por isso vou me conter e apenas parabenizá-la pela iniciativa de levantar essa questão! Obviamente, procurarei acompanhar a discussão! Abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá Clau...
    Que ótimo que vc se sentiu instigada e ao mesmo tempo curiosa!
    Os temas que procurarei abarcar nessas postagens dizem muito respeito ao oficio do historiador e os novos suportes em que memórias e vidas são registradas.
    Aguarde que tenho certeza, valerá à pena!
    Abs e fico te esperando

    ResponderExcluir
  6. Ol@ Pessoal...
    Já está pronta a Parte II desse artigo. É só clicar no final do texto.
    Abs e bonissim@ leitura!

    ResponderExcluir